A ASCENSÃO DOS ROBÔS COLABORATIVOS - ARGOSUS
A ASCENSÃO DOS ROBÔS COLABORATIVOS - ARGOSUS

A ASCENSÃO DOS ROBÔS COLABORATIVOS

EL SURGIMIENTO DE ROBOTS COLABORATIVOS
0 comments 0 comentarios 0 comentários

A ascensão dos robôs colaborativos

 

Como a  quarta revolução industrial, conhecida por alguns como Indústria 4.0, continua a transformar a cadeia de suprimentos, as empresas devem ter como objetivo aumentar a produtividade e melhorar a utilização da produtividade, integrando robôs e automação, sem negligenciar deliberadamente os funcionários.

 

Os pesquisadores do MIT descobriram que as equipes que combinam robôs e humanos eram 85% mais produtivas do que sozinhas. Isso enfatiza a importância de facilitar a cooperação entre funcionários e robôs. Os robôs colaborativos – denominados ‘Cobots’ – estão sendo desenvolvidos, projetados para ajudar os seres humanos, que são seguros, flexíveis e facilmente programados por funcionários humanos.

 

A ameaça de robôs tornarem a força de trabalho humana redundante ganhou muita publicidade; no entanto, alguns desenvolvedores afirmam (com ou sem razão) que os robôs serão usados ​​para auxiliar tarefas repetitivas ou perigosas demais para os seres humanos. A realocação dessas tarefas para robôs oferece aos funcionários industriais humanos a oportunidade de treinar e aperfeiçoar. Isso aborda simultaneamente a escassez de habilidades de engenharia digital causada pela falta de envolvimento sistemático entre educação e indústria, além de capacitar os funcionários.

 

 

Amazon e Cobots

 

A Amazon é pioneira no uso de robôs em armazéns para ajudar no atendimento de pedidos e em prazos de entrega mais rápidos.  Os Cobots levam prateleiras de produtos para os operadores de armazém da Amazon para preparação do envio e transporte, reduzindo o tempo do pedido de 1 hora para 15 minutos. Os funcionários usam um colete de tecnologia robótica que envia um sinal para os robôs no armazém, para que possam circular com segurança pelo prédio. O colete usa inteligência artificial e sensores para traçar um caminho de acesso ao redor do usuário, de modo que os cobots desaceleram automaticamente e atualizam sua rota para evitar humanos. A Amazon desenvolveu o colete em resposta aos temores sobre a segurança da robótica, facilitando a colaboração humano-cobot para aumentar a eficiência, reduzir defeitos, baixar preços e melhorar a segurança geral do local de trabalho. Além disso, a Amazon está financiando funcionários para estudar robótica, mostrando um claro compromisso com a cooperação humano-cobot.

 

 

Cobots na Mercedes-Benz

 

A Mercedes-Benz recentemente substituiu robôs por humanos em algumas linhas de produção; no entanto, para seu desespero, continuaram alegando que as máquinas robóticas não eram ágeis o suficiente para produtos personalizados. Em comparação, os humanos podem “reprogramar” imediatamente e são muito mais flexíveis.

A empresa decidiu deixar de tentar maximizar a automação, com as pessoas desempenhando um papel maior nos processos industriais novamente. A Mercedes-Benz descobriu que a cooperação humano-robô, como uma pessoa que orienta um robô parcialmente automático, resulta em melhor flexibilidade e capacidade de produzir uma variedade de produtos em uma linha de produção. Isso indica que a simples substituição de funcionários humanos por robôs é ineficaz; é mais produtivo nutrir uma dinâmica bem-sucedida do cobot-humano.

 

Prevê-se que o surgimento da Indústria 4.0 desencadeie uma mudança no objetivo dos funcionários industriais, de uma função manual e trabalhosa para a programação e pilotagem de robôs. Para garantir que a transição seja coesa, os gerentes devem ser transparentes e dispostos a aprimorar sua força de trabalho. As empresas que projetam o fluxo de trabalho para aproveitar os melhores atributos de humanos e robôs se beneficiarão do aumento da eficiência e da redução de custos.

 

Fonte:The Supply Chain Consulting Group

Share this:

Leave a Comment

Your email address will not be published.